Lockdown & luta de classes (2)

Está cada vez mais claro que os micro e pequenos empresários caíram no canto de sereia dos neoliberais, representados em Minas por Zema e em Brasília por Bolsonaro.

Na hora mais grave da pandemia, os micro e pequenos empresários que buzinaram histericamente nas eleições em nome do mito serão abandonados à própria sorte . Bolsonaro não tem uma política emergencial para eles. Tudo o que Bolsonaro lhes dirá é que devem lutar pela liberdade sem, no entanto, lhes dizer que ser livre para se contaminar e contaminar o outro com um vírus mortal não é ser exatamente livre. Liberdade para morrer? Quem em sã consciência se dispõe a arriscar a vida enquanto luta para sobreviver? Ninguém trabalha para morrer, muito pelo contrário!

Os micro e pequenos empresários precisam olhar para o espelho do real e se verem, se identificarem, e agirem, em conjunto com a classe trabalhadora pela efetivação de direitos existentes e também para a criação coletiva de novos. O que não dá mais é caírem, ou melhor, continuarem a cair na retórica da destruição dos direitos em nome de uma liberdade que se torna cada vez mais distante na medida em que, paradoxalmente, e cinicamente, se assenta sobre a própria destruição de direitos.

Imagine se aquela retórica (do Novo mais arcaico…) de privatização do SUS tivesse vingado!? O que seria do Brasil nesta hora em que o SUS é o único recurso que a maioria da população tem para respirar.

Para avançar é preciso também criar e não apenas destruir. Se querem a liberdade terão que criar o reino da liberdade e isso não se faz com buzina e gritos histéricos. Quem sabe agora aprendam na prática e na praxis a lição histórica.


Lockdown & luta de classes (1)

Só vai haver um lockdown de verdade no país no dia em que o governo federal em articulação com os governadores e prefeitos compreenderem a necessidade de criação e aprovação de um novo pacote de auxílio emergencial para os micro e pequenos comerciantes e trabalhadores em geral.

No nível das municipalidades, penso ser necessário um projeto de lei que proponha nas ocasiões de grave crise social, como é uma pandemia, descontos nos impostos, nas contas d’água, etc. Estas “ondas” do Minas Consciente, tomando o exemplo de Minas Gerais, são inconscientes da realidade dos trabalhadores e dos pequenos e microempresários do país.

A pauta dos micro e pequenos empresários deve se unir à pauta de todos os trabalhadores e reivindicar um programa robusto de auxílio financeiro, acompanhado de testagem em massa, rastreamento e isolamento de casos e, claro, aceleração do Programa Nacional de Imunização (PNI). Somente assim, o país começará a sair deste abismo sanitário e econômico que políticos irresponsáveis, sem visão e compreensão da complexidade social, estão criando.